22.10.09

Breve História do Jazz por Jorge Lima Barreto

O jazz como afirmada tipologia musical do Século XX deve ser considerado não apenas um fluxo independente mas antes síntese e incorporação de inúmeros géneros, movimentos e, sobretudo, paradigmas musicais.
Os blues são o rizoma do jazz, pela idiomática, nas suas harmonias transversais e insólitas e, psiquicamente, nos valores sentimentais; o jazz, paralelamente ao gospel, aos espirituais, nasceu como uma tipologia do cancioneiro negroamericano, que é a sua raiz; apropriação da notação europeia, com gradações emocionais da textura tímbrica; formalismo que evoluiu do ragtime, de ritmo desgarrado e sincopado, do boogie woogie, percussivo e cadenciado e, do estilo burilado do stride (2 - The Lyon Smith). Delta de aculturações, padronizou conjuntos instrumentais, congeminou harmonias e dissonâncias específicas, implantou um regime pulsional empolgante num fluxo epigonal dito mainstream (1- Hawkins).
O jazz absorveu para a sua própria gramatologia inumeráveis enredos da música de massas mundial (ritmo, estrutura, semântica da canção, instrumentação, e.a.); galeria de executantes virtuosos, prodigalizou melodias,; também uma vertente do entretenimento e da música popular de dança, logo foi propalado pela rádio e pelo disco e conheceu várias etapas no seu processo histórico:
O jazz clássico foi inaugurado pelo estilo New Orleans, com texturas polifónicas, subministradas por ritmos fortemente acentuados e simétricos; no swing, pulsação taquigráfica (4 - Peterson), break, canto onomatopaico e rimado, foi marcado pelo apogeu da big band, grande orquestra (3 - Ellington/ Basie), que normalmente dispensava o sinfonismo das cordas.
Logo a seguir ao fim da II Grande Guerra, surgiu o be bop, projecto intelectual do jazz moderno, expressionista, jogo de acordes, ritmo dialéctico (6 - Monk); escola similar foi o cool, integracionista ,de humor melancólico, poético, a balada como forma dominante (7 - O´Day); houve estilos disjuntivos do bop como o west coast, de tintagens tropicais e cinemáticas (9 - Brubeck); o progressive, experimentando técnicas superiores de composição e arranjo; a third stream, fusão morfológica e estrutural do jazz com músicas clássicas (8- Modern Jazz Quartet).
O hard bop ou funky adjectivou o bop com enredos místicos dos blues, do gospel, da soul, (5 - Ray Charles) discurso palimpsesto com síncopes incisivas, um regresso metonímico à tradição religiosa, reivindicação etnocultural (10 - Kirk)).
O modalismo, isto é, a adopção de escalas exóticas (13 – Miles Davis), caracterizou o jazz das décadas seguintes, com notáveis texturas tímbricas e suplementado de insinuantes invenções rítmicas (15 - Lloyd) .
No início dos anos 1960 aconteceu a rotura do jazz contemporâneo perpetrada pelo free jazz, cacofonia, grito, sismografia; modos extravagantes (11 - Mingus), fluxo do delírio à deriva de ritmos assimétricos (12 - Moncur III), contestação sociocultural e política .
No jazz rock coabitaram duas linguagens implantadas sobre a vivacidade dos ritmos binários e complementadas pela panóplia electrónica (14 - G. Burton).
Desde o último quartel do século XX detectou-se a corrente revisionista do neomodernismo, devotada ao tema standard, escolaridade na era do computador, involução irrevogável do academismo, generalização rebarbativa nos limites do branqueamento do jazz.
O jazz disseminou-se em todo o planeta e, uma frente vanguardista e diaspórica, na pósmodernidade, tem proposto o estilo múltiplo e poliscópico, renovação enérgica da linguagem instrumental (16 - P.Bley), encantatória e permanente deste discurso vívido (18 -J. Coltrane).
O jazz é avatar do experimentalismo e do conceito de obra aberta; intuição do instante, constelação de compositores-intérpretes (19 - Jenkins); passarela de instrumentistas excepcionais, construtores do bizarro, virtuosos do epigrama (17 - Cherry); emancipou-se como música/ performarte, concebeu um espaço autónomo e atípico da vertente solística e/ou colectiva, com técnicas audaciosas e conceptualizações esquisitas (20 - Haden/ C.Bley); hoje é uma formidável formulação musical na pósmodernidade.
Afinal o jazz advém da cultura migratória e multirracial, é partitura real dum folclore imaginário.

JORGE LIMA BARRETO

8 comments:

Anonymous said...

I found this site using [url=http://google.com]google.com[/url] And i want to thank you for your work. You have done really very good site. Great work, great site! Thank you!

Sorry for offtopic

Anonymous said...

Who knows where to download XRumer 5.0 Palladium?
Help, please. All recommend this program to effectively advertise on the Internet, this is the best program!

Rui Azul said...

Thanks

Anonymous said...

Get actos 25mg duphalac Order vpxl Generic zetia World delivery purim ED luvox

Anonymous said...

parabens pelo blog...
Na musica country VIRGINIA DE MAURO a LULLY de BETO CARRERO vem fazendo o maior sucesso com seu CD MUNDO ENCANTADO em homenagem ao Parque Temático em PENHA/SC. Asssistam no YOUTUBE sessão TRAPINHASTUBE, musicas como: CAVALEIRO DA VITÓRIA, MEU PADRINHO BETO CARRERO, ENTRE OUTRAS...
é o sonho eterno de BETO CARRERO e a mão de DEUS.

Anonymous said...

parabens pelo blog...
Na musica country VIRGINIA DE MAURO a LULLY de BETO CARRERO vem fazendo o maior sucesso com seu CD MUNDO ENCANTADO em homenagem ao Parque Temático em PENHA/SC. Asssistam no YOUTUBE sessão TRAPINHASTUBE, musicas como: CAVALEIRO DA VITÓRIA, MEU PADRINHO BETO CARRERO, ENTRE OUTRAS...
é o sonho eterno de BETO CARRERO e a mão de DEUS.

Anonymous said...

Thanks :)
--
http://www.miriadafilms.ru/ приобрести кино
для сайта registosautonomos.blogspot.com

Anonymous said...

Every Other Day Diet scam
Fit Yummy Mummy reviews
Burn the Fat Feed the muslce reviews